quarta-feira, 21 de junho de 2017

A 1967 Escapade in Macau

Hugh Davies foi um diplomata britânico (reformou-se em 1999) que viveu de perto as consequências da 'revolução cultural' chinesa em Hong Kong e Macau na segunda metade da década de 1960. 
Quatro décadas passadas sobre esses acontecimentos, em 2007, Davies escreveu um artigo - "An Undiplomatic Foray: a 1967 escapade in Macau" - onde relata esses dias 'quentes' (ver outro post) que viveu de perto numa viagem 'especial' ao território onde chegou como turista e ficou hospedado no hotel Caravela (demolido na década de 1970). 
A fotografia acima, onde se pode ver o hotel, a partir da zona da "meia-laranja", não surge no artigo publicado no Journal of the Royal Asiatic Society Hong Kong Branch - Vol. 47 (2007), pp. 115-126 de que apresento alguns excertos.

(...) This short account records a minor diplomatic happening in Macau in which I was involved in 1967, as Hong Kong endured some of its most challenging times in the shadow of the Cultural Revolution then wreaking havoc on the mainland. Macau for me already held a special place in my past. As a young man trying to grasp the history of British involvement on the China Coast, one of the books that had most captured my imagination was Maurice Collis’s Foreign Mud, telling the story of the origins of the Opium Wars. Macau had played a central role in that period. (...) 
In the 1960s, as a young diplomat, I was studying Chinese at the language school attached to the University of Hong Kong. To escape the rigorous rotelearning of long lists of Chinese characters set by my teachers, I had already visited Macau on more than one occasion. At that time the town showed barely any alteration over the previous 150 years. George Chinnery would have easily recognised all the main features and would have found the back streets and alleyways surrounding the ancient façade of the Church of Sao Paulo almost as he had known them in his day. Undoubtedly, however, my most memorable visit was in the autumn of 1967. The Cultural Revolution in China was in full swing. By late 1966 the Red Guards and pro-Communist zealots had effectively assumed power in Macau, at the expense of an enfeebled Portuguese administration powerless to resist. It was at this time that Portugal is said to have told the Chinese government that they were unwilling to continue as the administering power if the Red Guards were not called off. An uneasy compromise was apparently reached, and Macau’s colonial status was maintained. It has always been assumed that those still capable of rational decisions, in a Peking then gone mad with Cultural Revolutionary fervour, saw the danger of taking over Macau in such circumstances. Zhou Enlai, the consummate international diplomat, was the only one capable of bringing some sense to the situation. The obvious fear was that any precipitate action in Macau would provoke an immediate panic in Hong Kong that the same fate awaited the British colony and, with the Chinese economy crumbling around them, the last thing that men such as Zhou Enlai wanted was the loss of all the financial and other benefits accruing to China from Hong Kong. So, while Portugal was humiliated in that period, the trappings of colonial administration were preserved. The Governor remained, and all the senior civil service posts were still kept for Portuguese. The police remained predominantly Portuguese-officered and the junior jobs were largely held by Macanese. Superficially all was as it had been. But the influence of the local Chinese left-wing leaders was now paramount. (...)
O consulado britânico em Macau no ano de 1967. Imagens do artigo
In Macau at that time, Britain still retained a Consulate. The unfortunate Consul, a man no longer in the prime of life, became a soft target for the revenge of the Red Guards. By late May they had paraded daily past his office and residence and made increasingly aggressive demands. This culminated in obliging him to stand for hours outside his office in the heat of the midday sun while their adherents streamed past and screamed abuse. They attacked his office and his residence, both being attractive white-stuccoed, villa-style buildings on the banyan-tree-lined Praya Grande fcing Macau’s outer harbour. Both houses were plastered with Da Zi Bao (Big Character Posters), and besmirched with painted slogans in Chinese and English. ‘Down with British Imperialism’! they screamed. ‘Long live the Great Proletarian Cultural Revolution’, ‘Death to all Running Dogs’, and other encouraging suggestions. (...)
At the ferry terminal, a smartly uniformed young policeman took us under his wing. He welcomed us and confirmed the arrangements. We were booked into the Caravela Hotel on the Praya Grande, and he had tickets for all three of us for the ‘Lovely Paris’ show in the floating casino on the far side of Macau that night. He would pick us up from the Caravela in time for the show, where we could have our dinner too. Emrys and I took a taxi to the Caravela. Sadly, this lovely little hotel no longer exists, a victim of the rush to ruin and rebuild the best of Macau’s architecture in the 1980s and 90s. It really was a jewel of a building. It stood alone in its own neat garden, no doubt for long the residence of some wealthy merchant, grown rich on the pickings of the China trade in the 18th century. It was an exquisite example of the best Portuguese domestic architecture, painted an almost shocking pink outside, with all its decorative lace-like eaves and window recesses picked out in white, and a roof of traditional Mediterranean tiles. Inside it was just as attractive, with a fine mahogany staircase sweeping down into the central hallway and a series of elegantlyfurnished bedrooms around an open balustrade upstairs. It was a privilege to stay there. After checking in, we decided to go out and explore the town. The first thing we saw, from our taxi window, although we determinedly showed no interest in it, was the British Consulate, which stood nearby, absolutely covered in its demeaning graffiti of Red Guard slogans. We made for one of the main hotels for lunch and were gratified to note that one long table was packed end to end with extremely attractive young ladies enjoying their own lunch and smiling demurely in our direction between delicate mouthfuls. Macau was already living up to its reputation. Unknown to us then, we were to encounter them later. Aftet lunch we headed into the centre of town, to do the tourist bit. So we wandered around kr a couple of hours, taldng in some of the usual sights, including the old parts around the famous façade of the Sao Paolo Church. (...)
As we wended our way back along the Praya Grande, we again passed the Consulate and the Consul’s house. Approaching that area, still on guard against the possibility that our presence as representatives of British imperialism might have been detected, we came on a stretch of road under repair. It must have been a considerable excavation, because as we came abreast of it, one of the workers, looking up from his digging, suddenly grinned and held aloft in our direction a piece of dynamite. He brandished it in mock threatening mode, smiling broadly all the while, gold teeth flashing. (...)
For me, that storm-tossed night on the roof of Her Majesty’s Consulate in Macau in 1967 had a particular poignancy. I have often told friends of the time that I helped to haul down the flag on a British outpost in the East.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Passeios de riquexó

As três imagens testemunham uma das imagens de marca de Macau na década de 1960, os riquexós, meio de transporte utilizado para os passeios de turistas mas também para os habitantes locais se deslocarem em viagens curtas e até mesmo para irem às compras.
Este meio de transporte tem uma história curiosa. Na época destas imagens - postais ilustrados - chegaram a existir cerca de mil entrando em declínio com a proliferação dos automóveis (táxis). Hoje subsistem alguns exemplares utilizados sobretudo por turistas.

1ª imagem: frente ao Palácio do Governo vendo-se ao fundo o edifício Rainha d. Leonor.
2ª imagem: na rotunda Ferreira do Amaral, como mesmo edifício ao fundo e o Liceu
3ª imagem: junto ao Jardim de S. Francisco com o Pavilhão Octogonal (biblioteca) ao fundo




domingo, 18 de junho de 2017

Traços da presença feminina em Macau

Excerto do artigo de 2006 da autoria de Leonor de Seabra,  pesquisadora do Research Centre of Luso-Asian Studies, Universidade de Macau, Macau.

(...) É nos relatos dos viajantes, principalmente nos dos viajantes estrangeiros, que chegaram a Macau entre os séculos XVI e XIX, e, ainda, nas cartas dos missionários, que se fixaram naquela cidade e dali partiam para as Missões do Oriente, que se encontram referências às mulheres de Macau, embora numa perspectiva eurocentrista, a maior parte das vezes.. Só assim se poderá ficar a conhecer alguma coisa acerca dessas mulheres anónimas, que teriam acompanhado os Portugueses, quando estes se estabeleceram em Macau.
De acordo com as fontes históricas, nos primeiros tempos do estabelecimento dos Portugueses em Macau, os homens tinham ali, na sua maioria, residência temporária. Em 1563, todavia, o Padre Francisco de Sousa, ao descrever uma procissão na povoação de Macau, diz que “estavam as meninas pelas janelas com grinaldas nas cabeças e salvas de prata nas mãos cheias de rosas e redomas de água rosada que lançavam por cima do pálio e da gente que passava”, tal como sucedia, pela mesma altura, em Goa e noutras praças do Oriente. Conta ainda que, nesta mesma data, “casaram-se algumas órfãs e muitos cristãos da terra que de largo tempo viviam em pecado. Embarcaram-se para a Índia mais de 450 escravas de preço e na última nau que partiu para Malaca se embarcaram ainda duzentas que eram as mais perigosas e mais difíceis de se lançarem fora”.
Este testemunho parece confirmar que as mulheres que acompanhavam os primeiros Portugueses, para a China, eram escravas compradas nos mercados do Oriente, escravas que os acompanhavam também nas embarcações, à maneira tradicional da navegação comercial no Oriente; e as órfãs, a que o Pe. Francisco de Sousa se refere, deviam ser as filhas dos Portugueses, euro-asiáticas, que viviam em regime de concubinato.
Segundo o Pe. Gabriel de Matos, uma das coisas que escandalizavam os mandarins era verem os Portugueses “cativar chinesas, comprando-as ou vendendo-as para fora da terra (...). Saíam por vezes (...) para outros reinos embarcações, carregadas de meninos e meninas”.
Em 1617, o aitao de Cantão fez publicar um decreto do imperador Wan-Li, também conhecido por Man Lec (1573-1620), no qual se proibia, aos Portugueses, “comprar súbdito algum no Império chinês”. Contudo, por meio de peitas aos mandarins ou tráfico com Chineses menos escrupulosos, este decreto parece nem sempre ter sido cumprido.
Já no século XVI, o Reino interviera na repressão do comércio de escravos, no Oriente. E isto porque, desde os mercados dos países árabes ao famoso mercado de Goa, os Portugueses podiam comprar escravas provenientes das mais diversas partes de África e da Ásia, o que incrementou este comércio de tal forma que, desde 1520, foi proibido por D. Manuel “que se levassem para a Europa escravos de qualquer casta”, proibição reiterada em 1571, por D. Sebastião. Em 1595, na sequência de queixas das autoridades chinesas contra os Portugueses que compravam raparigas daquela etnia para suas criadas e as exportavam como escravas, foram estabelecidas sanções.
Durante o século XVII, também, foram feitas várias proibições sobre a escravatura de Chineses, mas sem produzir qualquer efeito prático. Aos residentes de Macau, naquela época, quase todos ainda ricos e poderosos, pouco afectavam as leis do Reino, habituados como estavam a ser praticamente auto-governados, distantes da jurisdição de Goa e, tendo à frente do Senado, um grupo de mercadores que eram os mais ricos da Cidade.
Em 1715, o Pai dos Cristãos (o Bispo de Macau) proibiu, mais uma vez, a compra de escravas e o envio de mui tchai de Macau para Goa ou outro lugar. A par das condenações eclesiásticas e da pressão das autoridades chinesas continuavam a suceder-se as proibições do Reino, embora sem grande efeito prático.
Como o infanticídio feminino era uma prática corrente na China, muitos Chineses, pressionados pela miséria, em vez de matarem as suas filhas, vendiam-nas aos Portugueses. Outros, roubavam-nas ou compravam-nas aos seus conterrâneos para as revenderem em Macau. Este comércio, de crianças roubadas ou revendidas, parece ter sido o meio mais usado para aquisição de mui tsai, porque, muitos Chineses, na sua maioria, temiam represálias dos eus Antepassados falecidos, no caso dos seus descendentes mudarem de religião, adoptando a dos bárbaros, uma vez que as crianças lhes fossem vendidas directamente. Surgiram, assim, muitos Chineses sem escrúpulos a praticarem este tráfego com os Portugueses de Macau, que, com ele, auferiam grandes lucros. As escravas chinesas eram, geralmente, raptadas quando crianças, por traficantes locais, ou vendidas pelos próprios pais, podendo as mesmas ser libertadas por algum ricaço, que as quisesse levar para suas casas como concubinas. (...)

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Visita do Gov. de Hong Kong em 1955

Momento da recepção do governador de Macau, Marques Esparteiro, ao seu homólogo de Hong Kong, Sir Alexander Grantham, numa visita em 1955, com as respectivas mulheres.
Hong Kong Governor Sir Alexander Grantham official visit to Macau with reception by Macau governor Marques Esparteiro in 1955.
香港總督 葛量洪 官式訪問 澳門 澳門總督史伯泰在一號碼頭迎接

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Descubra as diferenças...

Em cima o interior de uma mesquita; em baixo o nº 6 da Calçada do Gaio, que actualmente alberga o Instituto de Estudos Europeus de Macau.
 Visto do jardim Vasco da Gama

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Sobre a construção dos templos: 1ª parte

Não sendo um especialista na matéria, do que que fui lendo ao longo dos anos e dos ensinamentos que recebi em várias conversas com amigos chineses, escolhi para este post falar um pouco mais sobre alguns aspectos da construção dos templos chineses em que se destaca a ênfase na articulação e simetria bilateral, que é sinónimo de equilíbrio.

O tema é complexo pelo que me detenho apenas nas esculturas construídas nos telhados e cujos desenhos são de tal forma aprimorados e representam a beleza da arte tradicional chinesa. 

Nos telhados surgem normalmente, três figuras, uma em cada ponta e outra no meio. Os desenhos dessas figuras mais usados habitualmente são os de animais considerados auspiciosos. As duas inclinações do telhado também abrigam um conjunto de estátuas de animais. No limite podem chegar a ser 10 figuras e esse número diminuiu de acordo com o estatuto do dono da construção. Dito isto, na China, a única construção que tem 10 estátuas de animais nos dois lados do telhado é o Salão da Harmonia Suprema da Cidade Proibida, simbolizando o poder absoluto do imperador. 
Os animais escolhidos para enfeitar os telhados têm diferentes significados: o dragão remete para o poder imperial; a fénix, a rainha das aves, segundo a lenda, simboliza as pessoas de alta moralidade; o leão representa a coragem e a força.

domingo, 11 de junho de 2017

Places of interest you will visit

Folheto turístico em língua inglesa impresso entre 1970 e 1972 pela Agência de Turismo Macau (Macau Tours). Inclui mapa com localização dos principais locais de interesse de visita para os turistas.

Places of interest you will visit: templos de A-Ma e Kun Iam, Ermida da Penha, circuito da Guia, Porta do Cerco, gruta de Camões, ruínas de S. Paulo, farol da Guia, etc.


 A empresa tinha sede em Macau (na então chamada Av. Dr. Oliveira Salazar - hoje Av. Dr. Mário Soares), junto ao Tribunal; e ainda escritórios em Tsim Scha Tsui, Kowloon, Hong Kong. entre as várias imagens utilizadas na brochura está uma maqueta da ponte Macau-Taipa que na altura já estava em construção, sendo inaugurada em Outubro de 1974.

sábado, 10 de junho de 2017

Quando a Gruta de Camões atraía turistas

Turistas chineses e ocidentais na Gruta de Camões nas década de 1910/20 e 1930/40

O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas celebra a data de 10 de Junho de 1580, data da morte de de Luís de Camões. Instituído como feriado municipal após a implantação da República em 1910, só a partir do Estado Novo, passou a ter âmbito nacional. Seria 'convertido em Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em 1978.
Em Macau as habituais romagens à Gruta de Camões neste dia foram 'instituídas' pelo governador Rodrigo José Rodrigues em 1923.
“O largo de Camões, que precede o sítio mais belo e pitoresco de Macau, não passa actualmente dum vasto terreno, onde a erva cresce à vontade e, onde ordinariamente se levantam barracas para festividades chinas, principalmente para enterros, oferecendo assim um espectáculo pouco agradável aos olhos dos numerosos visitantes, quer nacionais quer estrangeiros, que constantemente vêm o local onde se diz que esteve o nosso grande épico. Na ocasião, em que se trata de aformosar, tanto quanto possível, a Gruta de Camões, e de dar um aspecto risonho ao edifício que ali há, parece-me conveniente aformosear também a praça ou largo que precede este local, inquestionavelmente o mais belo de Macau.”
O desabafo, se assim se pode dizer, é do director das Obras Públicas de Macau em Junho de 1887. 

No século 18 grande parte da colina de Patane era ocupada pelos terrenos da casa ocupada pelo administrador da "British East India Company", a que conhece como Casa Garden. Os ingleses saíram em 1835 e a propriedade voltou a ser administrada pela família do Conselheiro Manuel Pereira. O seu genro, comendador Lourenço Marques, mandou colocar um busto do poeta no jardim, fortalecendo a tradição já existente que afirmava ter sido Luís de Camões um dos primeiros moradores de Macau, que, nos penedos deste local, teria escrito parte do poema épico Os Lusíadas

O busto do poeta - feito em bronze - existente no jardim com o mesmo nome - o segundo mais antigo de Macau - foi encomendado a Manuel Bordalo Pinheiro e fundido em Lisboa. Chegaria a Macau em 1886 após a aquisição da propriedade pelo governo de Macau.
Postal Máximo de 1987
A Lenda
O poeta Luís de Camões vivia em Macau numa espécie de desterro, provocado por invejas e inimizades em Portugal.
As intrigas obrigaram-no também a deixar aquela terra, tendo embarcado como prisioneiro na famosa Nau de Prata, nos finais de 1557.
Luís de Camões despediu-se da famosa gruta de Patane, em Macau, que tinha escutado o eco dos seus sonhos e do seu desespero, e apresentou-se ao capitão da Nau de Prata. Interrogado sobre o papel enrolado que levava na mão, Camões respondeu que era toda a sua fortuna e que talvez fosse aquela a sua herança para todos os Portugueses.
Tratava-se da epopeia Os Lusíadas, que contava a história do seu povo e que, segundo a lenda, terá sido escrita naquela gruta. Escritos com toda a alma e toda a saudade de português, injustamente privado da pátria, aqueles versos eram o maior de todos os seus tesouros e os únicos companheiros do seu infortúnio.
Da amurada da nau, estava Camões a despedir-se da gruta, quando ouviu uma voz de mulher que o interrogava sobre a sua tristeza. Era uma nativa de Patane, que o conhecia, e em quem ele nunca tinha reparado, apesar da sua extrema beleza. Tin-Nam-Men era o nome da nativa que, na sua língua, significava Porta da Terra do Sul - a Porta do Paraíso. Tin-Nam-Men tinha observado Camões, durante muito tempo, sem nunca se atrever a falar-lhe até àquele dia. Perdidamente apaixonada por Camões, tinha-o seguido até ao barco.
Partindo com o poeta, conta a lenda que, na Nau de Prata, nasceu mais uma relação amorosa na vida já tão romanesca de Luís de Camões, até ao trágico dia em que uma tempestade irrompeu nos mares do Sul.Como a Nau de Prata estava condenada a afundar-se, embarcaram as mulheres num batel e os homens salvaram-se a nado. Camões, de braço no ar, segurando Os Lusíadas, nadou até terra, mas o barco onde seguia a linda Tin-Nam-Men foi engolido pelas ondas. Foi à bela Dinamene, como o poeta lhe chamou, que Camões terá dedicado os seus belos sonetos "Alma minha gentil, que te partiste..." e também "Ah! Minha Dinamene! Assim deixaste".
 Em cima foto de 1925. Em baixo foto de 2015

sexta-feira, 9 de junho de 2017

1º Centenário da Fundação do Clube Militar (1970)

Por estes dias o Clube Militar de Macau (que começou por se denominar Grémio) comemora 147 anos de existência. Para assinalar a data recordo aqui como foi celebrado o primeiro centenário, em 1970.
Em cima, recorte do artigo publicado na revista do CIT - Centro de Informação e Turismo, em 1970, assinalando o 1º centenário da fundação da instituição. As celebrações iniciaram-se a 13 de Agosto e terminaram com um baile de gala a 31 de Dezembro.
Na verdade, quando foi fundado em 1870 por um grupo de oficiais do exército português, chamava-se Grémio Militar, e só podiam ser sócios os oficiais. Durante a Guerra do Pacífico (1941-1945), as instalações do grémio passaram a ser geridas pelo governo que ali instalou alguns dos refugiados oriundos de Hong Kong. Depois da guerra funcionou como Repartição da Fazenda até à inauguração do Palácio das Repartições no início da década de 1950. Em 1952 a Comissão Administrativa do Clube Militar nomeada em 29 de Outubro de 1951 pelo Governo convidou o Ministro do Ultramar, Manuel Maria Sarmento Rodrigues a (re)inaugurar o espaço, o que veio a acontecer a 30 de Junho de 1952, data a partir da qual a instituição passou a denominar-se Clube Militar e todos os militares podiam ser sócios.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Sir Anders Ljungstedt (1759-1835)

Anders Ljungstedt (1759-1835) was a Swedish merchant and historian. He was born to a poor family in Linköping and attended Uppsala University for a time, but was forced to withdraw for lack of funds. In 1784, he went to Russia, where he worked as a teacher for ten years. Following his return to Sweden, he obtained employment in the Swedish government and served as Russian interpreter for king Gustav IV Adolf during his journey to Russia. Ljungstedt was later hired by the Swedish East India Company, but after it folded, he moved to Macau, where he resided for the rest of his life working as a merchant. The King of Sweden later made him a Knight of the Order of Vasa, and in 1820 he was also appointed Sweden's first consul general in China. Ljungstedt took great interest in the history of Macau and he is famous for being the first Westerner to refute the Portuguese claim that the Ming dynasty had formally ceded sovereignty over Macau. Ljungstedt never returned to his native country and was buried in the Protestant cemetery in Macau. Today, a high school in Linköping bears his name and an avenue in Macau (Avenida Sir Anders Ljungstedt, 倫斯泰特大馬路) was named in his honor in 1997.
Sir Anders Ljungstedt (1759-1835) foi um comerciante de origem sueca que se estabeleceu em Macau (ca. 1820), tendo sido designado pelo seu Governo como cônsul da Suécia na China. Segundo o jornalista e investigador João Guedes "Sendo um dos mais importantes, se não mesmo o mais importante elemento da comunidade comercial sueca por estas paragens, Ljungstedt não se limitava às suas actividades comerciais, pois mantinha relações de carácter político e de representação do seu país junto, não só das autoridades portuguesas, mas também das influentes comunidades inglesa e americana que exerciam actividades no Delta do Rio das Pérolas. Neste âmbito, e ao que parece a pedido dos comerciantes americanos, iniciou um projecto destinado a estabelecer a legitimidade histórica da presença portuguesa em Macau. Para esse efeito, Ljungstedt contou com o precioso auxílio do bispo de Pequim, D. Joaquim de Sousa Saraiva", que passou por Macau em 1805 com destino à diocese de Pequim.
Nos anos em que aguardou em Macau pela autorização da corte imperial chinesa D. Joaquim dedicou-se a recolher e estudar os manuscritos que se encontravam nos arquivos da diocese macaense com o intuito de, tal como Ljungstedt, fazer uma história de Macau. Ainda de acordo com João Guedes "ambos estabeleceram relações de interesse mútuo pelo passado local, o que levou a que o bispo português acabasse por facultar, e provavelmente traduzir para Inglês, muita da documentação que tinha coligido e que facultou a Ljungstedt." que viria a publicar em Boston (EUA) em 1836, com o título “An Historical Sketch of the Portuguese Settlements in China and the Roman Catholic Church and Missions in China & Description of the City of Canton”, aquela que é considerada a primeira obra que sistematiza a história de Macau.
João Guedes conclui que "Ljungstedt viria a ser acusado de tentar, com aquela obra, minar a presença portuguesa em Macau, ao concluir pela inexistência de provas documentais sobre a alegada oferta de Macau a Portugal pela China em troca do auxílio na luta contra os piratas". 
Ljungstedt morreu a 10 de Novembro de 1835 e encontra-se sepultado no cemitério protestante de Macau, perto do Jardim de Camões. 
Em 1997 foi homenageado na toponímia local tendo o seu nome numa avenida de Macau.
Nota: Já em 1832 Ljungstedt tinha publicado, ainda em Macau, o livro "Contribution to an historical sketch of the Portuguese settlements in China, principally of Macao, of the Portuguese envoys and ambassadors to China, of the Roman Catholic Mission in China and of the Papal legates to China", com 174 páginas. Ljungstedt escreveu ainda na publicação The Canton Miscellany, impressa na tipografia da English East India Company entre 1831 e 1832.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Subsídios para a História de Macau

Subsídios para a História de Macau (234 pp) foi escrito por Bento da França, "Tenente de cavallaria e ajudante de campo honorário de Sua Alteza Real o Senhor Infante D. Augusto" foi editado pela Imprensa Nacional, em Lisboa, em 1888.
Nele, de acordo com as investigações do autor, conta-se a história de Macau desde o estabelecimento dos portugueses em 1556 até 1849. Este prazo máximo, segundo autor tem a seguinte explicação: "No nosso estudo não passámos de 1849, por duas rasões. Detivemo-nos n'esta data, que marca uma epocha para a historia de Macau, porque de 1849 para cá abundam no ministério da marinha e ultramar documentos. Não prosseguimos porque nos repugna apreciar os actos dos vivos, tanto mais que servimos com alguns".Sobre o território Bento da França escreveu ainda "Macau e os seus habitantes" (1897). A obra é dividida em quatro partes: Resumo da história de Macau (baseada no livro de 1888); Noticia geographica admnistrativa e politica (inclui informação sobre a gruta de Camões); Raças, usos e costumes dos habitantes de Macau; Relações com Timor.
No livro de 1897 Bento da França inclui muitos dados que tinha coligido antes, em 1890, para um folheto de 62 páginas que se chamou "Macau" e que foi o nº 183 da colecção "Bibliotheca do Povo e das Escolas". Na época apesar de Timor ter um governador próprio, dependia directamente do governo de Macau. Refira-se ainda que o tio, Bento da França Pinto de Oliveira (1833-1889), irmão do pai (Salvador de Oliveira Pinto da França), foi governador de Timor entre 1882 e 1883.
Bento da França assenta a sua história de Macau num dos primeiros livros que sistematizou a história do território, em 1836, o "Historical sketch of the portuguese settlements in China", escrito pelo sueco Anders Ljungstedt.
Vem tudo isto a propósito da oferta que o meu amigo João Loureiro me fez no passado domingo do folheto "Macau" - já referido - impresso em 1890 e aqui apresentado numa cuidada encadernação.
Nos finais de oitocentos, a intelectualidade portuguesa via na educação popular o caminho para se alcançar o progresso e a civilização. Esta elite, influenciada pelo positivismo, defendia a educação científica do povo, transmissora de conhecimentos úteis. David Corazzi, a partir de 1881, editou a "Bibliotheca do Povo e das Escolas", uma colecção de fascículos destinada a um vasto público formado por Portugueses e Brasileiros escolarizados, mas carentes de uma educação científica e literária. Durou até 1913 esta missão educativa e civilizadora e possibilitou a circulação de conhecimentos científicos entre Portugal e Brasil.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Biografia de Manuel da Silva Mendes já à venda

À venda em...
Portugal:
- Feira do Livro de Lisboa (até 18 de Junho) no stand C15 do Turismo de Macau
- Livraria do Turismo de Macau em Portugal - Av. 5 de Outubro, 115 Lisboa
Macau: brevemente (locais a anunciar)
- e no site 
http://manuel-da-silva-mendes.webnode.pt/

domingo, 4 de junho de 2017

Algumas curiosidades sobre Silva Mendes


Professor
Formado em direito (em Coimbra), Manuel da Silva Mendes desempenhou várias funções nos 30 anos que viveu em Macau. Chegou ao território em 1901 onde começou por ser professor de português e latim no Liceu (fundado em 1894) que chegou a funcionar no antigo hotel Boa Vista - mais tarde denominado Bela Vista.
Toponímia
O nome de Manuel da Silva Mendes há muito que foi alvo de homenagens em termos toponímicos em Macau - onde viveu 30 anos - e em Portugal - onde nasceu em 1867 em S. Miguel das Aves.
Casa Silva Mendes
Poucos anos depois de chegar a Macau, Manuel da Silva Mendes adquiriu por aforo um terreno no sopé do Monte da Guia onde viria a construir a sua residência. O edifício foi usado para diversos fins após a morte de MSM e ainda hoje existe funcionando ali um pólo da Universidade das Nações Unidas desde o final da década de 1990.
Coleccionismo
Actualmente o Museu de Arte de Macau possui uma das mais valiosas colecções de cerâmica de Sheck Wan do mundo. A maioria das peças teve origem no espólio de obras de arte de Manuel da Silva Mendes adquirido por particulares e pelo governo de Macau em 1932. Duas emissões filatélicas, em 1987 e 2007, fazem alusão ao facto.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Manuel da Silva Mendes (1867-1931): Biografia

Até 18 de Junho o Parque Eduardo VII acolhe mais uma vez a Feira do Livro de Lisboa, e a Livraria do Turismo de Macau marca de novo presença entre os 122 participantes e 602 marcas editoriais, podendo os visitantes encontrar mais de 300 títulos sobre Macau.
Com a localização C15, o stand da Livraria do Turismo de Macau, para além de diversas sessões de autógrafos, será o estúdio do programa "Terra-a-Terra" da TSF, no próximo domingo, 4 de Junho, das 15h às 17h.
Stand da Livraria do Turismo de Macau na 87ª Feira do Livro de Lisboa
Lançamento da "Biografia de Manuel da Silva Mendes":
domingo, 4 Junho, às 19 horas
Sessões de autógrafos:
Maria Helena do Carmo: 3 Junho, 17h-18h
João Botas: 4 Junho, 20h-21h
Maria Helena do Carmo: 5 Junho, 17-18h
João Botas: 6 e 7 Junho,  21h-22h
Edição: João F. O. Botas e Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau (2017)
Século e meio depois, retribuir a Silva Mendes o legado por ele deixado a Macau
Em Outubro assinalam-se os 150 anos do nascimento de Manuel da Silva Mendes, figura de relevo da Macau da primeira metade do século XX que o tempo foi votando gradualmente ao esquecimento. É este desaparecimento que João Botas pretende reverter com “Biografia de Manuel da Silva Mendes 1867-1931”. A obra é apresentada este domingo na Feira do Livro de Lisboa.
Desiludido e algo desencantado com o rumo político de Portugal nos finais do século XIX, Manuel da Silva Mendes viaja para Macau, onde chega em 1901. Agastado com a sua luta pessoal contra um regime monárquico já então decadente, rapidamente se embrenha na sociedade e cultura chinesa, realidades que lhe eram até então inteiramente desconhecidas. Para Macau vem como professor do Liceu mas ao longo dos 30 anos em que teve o território como casa – quase metade da sua vida – desempenhou funções como reitor do estabelecimento de ensino, advogado, juiz e vereador do Leal Senado. Pelo meio, encontrou tempo para se dedicar às letras e ao coleccionismo, tendo deixado obra como escritor e cronista e também um espólio considerável de cerâmica de Shec Wan. É esta personagem, entalada entre dois séculos, que o jornalista e escritor João Botas evoca e recorda numa novo obra que será apresentada este domingo na Feira do Livro de Lisboa.
Não foi de forma inocente que João Botas atribuiu ao blog por si criado em 2008 o nome de “Macau Antigo”, título que pediu emprestado ao primeiro capítulo de uma obra de Silva Mendes que nunca chegou a ver a luz do dia. A ligação entre os dois escritores, separados por mais de um século, ganhou substância através do contacto com uma bisneta de Manuel da Silva Mendes que conduziu o jornalista até uma outra familiar, que partilhou com o biógrafo a documentação que tinha do seu avô que, na realidade, não superava a que o investigador tinha já reunido.
A imersão imediata de Silva Mendes no modos de viver chineses mantém-se para João Botas “um mistério”. O jornalista procura explicações “no desalento e algum desencanto pelo rumo político com aquilo porque lutou, que foi a implantação da república”. Um tal desalento levou o então professor “a embrenhar-se mais naquilo que são os seus estudos e dá-se um afastamento definitivo quer do mundo ocidental, quer até da hipótese de regressar a Portugal.” Esta cisão é efectivada em 1928 quando o escritor pede ao Governo português uma autorização de residência permanente no território “não obstante ele já estar fisicamente debilitado e bastante doente”.
“É uma personagem que não quer só para si aquilo que apreende da civilização e da cultura chinesa, mas que deixa centenas de artigos escritos” sublinha o jornalista e blogger. João Botas atribui “a colecção porventura mais valiosa de arte cerâmica de Shec Wan do Museu de Arte de Macau” a Manuel da Silva Mendes. Como coleccionador de arte deslocava-se até à vizinha província de Guangdong onde pedia a mestres locais modelos e figuras específicas que se tornaram “obras únicas” conta o jornalista.
Antes de vir para Macau – no mesmo ano em que terminou o curso de Bacharel (Direito) em Coimbra – publica uma obra que “ainda hoje é uma referência para a teoria política do anarquismo” – “O Socialismo Libertário ou Anarchismo” e que o marcou como um “intelectual de referência em Portugal”. Ao longo da segunda metade da sua vida mantém sempre uma visão bastante crítica da sociedade, “não obstante a posição que detinha e que era uma posição de relevo à época” salienta João Botas.
O biógrafo mostra-se bastante crítico quanto ao significado que a figura de Manuel da Silva Mendes tem na Macau actual, principalmente quando comparada com outras personalidades suas contemporâneas, como é o caso de Camilo Pessanha: “O trabalho intelectual produzido por Silva Mendes é muito, muito superior, está a anos-luz (do de Camilo Pessanha). São personagens distintas, um teve mais visibilidade fruto da forma como morreu, da vida que levou, o Silva Mendes era uma pessoa mais austera, mais clássico”, defende o jornalista. Para João Botas “é chegada a hora de lhe dar o devido relevo e a devida importância”.

Artigo da autoria de Catarina Vila Nova publicado no jornal Ponto Final 2.6.2017

João Botas lança biografia de Manuel da Silva Mendes
A vida de Manuel da Silva Mendes e os 30 anos vividos no território estão agora retratados numa biografia escrita por João Botas, que irá apresentar a obra na Feira do Livro de Lisboa
No dia 4 de Junho na Feira do Livro de Lisboa vai decorrer a apresentação da “Biografia de Manuel da Silva Mendes 1867-1931”, uma obra da autoria de João Botas que surge num ano especial já que se comemoram os 150 anos do nascimento daquela personalidade.
Manuel da Silva Mendes nasceu em 1867 e publicou em 1896 “O Socialismo Libertário ou Anarchismo”, considerada ainda hoje uma obra de referência no campo. Poucos anos depois, em 1901, o intelectual chegou ao território onde viveu 30 anos até ao seu falecimento.
Em Macau, além de professor e reitor do Liceu de Macau, advogado e juiz, também se destacou como coleccionador de arte e sinólogo, tendo escrito vários livros sobre arte e filosofia chinesas. Para além disso, foi autor de centenas de artigos publicados na imprensa portuguesa e macaense, estando parte do seu espólio ainda no território.
Com 184 páginas, este livro de João Botas é o primeiro dedicado à vida e obra de Silva Mendes e é acompanhado de mais de 200 imagens, incluindo fotografias da época, dezenas de documentos inéditos e ilustrações da autoria de Adalberto Tenreiro, António Conceição Júnior, Charles Chauderlot, Eric Fok e Miguel Chinopa.
A apresentação está marcada para as 19:00 (hora portuguesa) e será seguida de uma sessão de autógrafos no stand da Livraria do Turismo de Macau na Feira do Livro. Até ao final do ano estão previstos outros eventos de apresentação do livro em Portugal e na RAEM.
Segundo João Botas, a edição de 500 exemplares teve como mecenas institucionais a Delta Edições, Fundação Casa de Macau, Fundação Jorge Álvares, Fundação Oriente, Instituto de Estudos Europeus de Macau, Instituto Internacional de Macau e Liga de Amizade Portugal China, bem como de mais de uma dezena de particulares.
O livro estará à venda em Macau em várias livrarias através do Instituto Cultural, enquanto em Portugal pode ser adquirido na Livraria do Turismo de Macau. Pode ainda ser comprado através do site oficial da obra - http://manuel-da-silva-mendes.webnode.pt/
Artigo publicado no Jornal Tribuna de Macau 31.5.2017